<$BlogRSDURL$>



segunda-feira, junho 21, 2004

Interview with Izzi Dunn, the british born cellow player who managed to marry the contemporary beats of hip-hop and soulful nu-jazz with unexpected string arrangements in a brilliant "not-so-debut" album. A "Big Picture" definitely worth taking more than a look at, next Saturday, live at Convento do Beato, in Lisbon. Por|Inês Marques


1. Classically trained cellist, singer, songwriter and now even producer, since you were the main responsible for everything in this “Big Picture”. Did you ever stop to think how significant you are?

Oh my God..(laughing).I’m blown away by that! No, actually I think I haven’t. Maybe because when you’re playing and making your music yourself you kind of have to rely on yourself. All I’ve been doing all this time is simply keep on playing and making my music and mainly learning. I’ve been learning all this time, and especially now, with the process of making my actual first album. Producing it was simply the way it felt right, the way it happened, and I was lucky enough to be so involved in it. I was very happy working with other but I suppose I had to go on with it on my own. Still I have done quite a few collaborations on the album, I intend to keep on working with other people and I enjoy it a lot. I gives you a great chance to grow. It’s just that most of the time I have this clear vision of how I actually want my music to sound like and that is something I can only achieve exactly with my own music.


2. Although this is your debut album, it’s hardly the first time you haver worked in music. Why did you choose to remain in the “background”, colaborating with other musicians, untill now?

Actually I don’t think I’ve chosen it. It just kind of worked out that way. I started out working as cellist, playing with other musicians and bands and it was sort of a naturall and unplanned evolution which gradually lead me into trying out different things and rythms. I began writing more and more music and not only string music, but with words, with lyrics as well...So I guess it was a natural kind of progression, it wasn’t that I chose it, I kind of moved into my own music in a natural way but I still want to collaborate with other people.and go on doing strings and arragements for them. So I guess I’m as lucky as I can be because I get to be a little bit of everything.


3. Was it a way to “search for signs and directions”?


Yeah, definitely. I mean, the lucky thing is that most of the people that I’ve worked with are not only different but also extremely talented, so all of them have taught me something. And most of the people that I’ve worked with in this album, my album, are also people that I’ve worked with, done strings for, before, like Manuva and Mi Uan. Therefore I’m not only quite used to them but it feels really nice to have the chance to share my first album with them.


4. In the “Big Picture” you had the opportunity to be the one who invites others to work with you, instead of being the invitee. Besides people whom you had already worked with, like Mr Manuva, does the album include any new-comers?

Most of the people are people with whom I had worked before. The string player that I’ve worked with in the album is a girl that has played wih me throughout the years, Mi Uan and Manuva are also people that I’ve done a lot of strings for and with, Kylie Chasen is also a gauy that I’ve worked with for a few year now. They’re all people that I know from West London or are in bands that I’ve playeds with, done strings with or sessions so it is really nice because I met them through doing their music and then have kind of gone on into writing my own music or doing my own music but with them as well. So when it comes to newcomers I think there actually aren’t any. Still most of them have got their own projects. I think I am the newcomer. But it feels rather weird to get to invite other instead of waiting for them to invite me. I’m still not used to it. I still have to pinch myself and go: “Oh ok, it’s my turn, I’m actually the one who sings and this is actually my music”. But they’ve all made it easy for me, since most of us have known each other for long. They’ve all been really giving and great about it. So I’m just building great relationships and I’ve got a wonderful band and hopefully I’ll get to do some mor work with them for my next album as well, to write and play with them. It’s just a great bunch of people that I’ve got around me and that really makes it possible for the album to turn out like this, so natural. I’m constantly growing and learning things every day.


5. Does it make you feel rather “misfit”?

Well actually I believe that now I’m feeling like less of a misfit exactly due to the people that I’ve got around me and I think that music was about a time when I was thinking about how ilogical it is for people to try to put music in different boxes, to catalogue musicians in terms of styles. And in that way, I’ve always felt like a misfit and I think it is axtually rather nice to be one.


6. What do you believe to have influenced you the most: growing up with an opera singing mum and an entertainer father or having worked with artists like Moloko or George Harrison?

I think it’s a real mixture of everything. It’s all of them put together because I think it’s just waht makes you who you are, the music that you make. All those things have an influence on you at some stage in your life, in the way you live and lead it. In my case I grew up in a music family and I had lots of music around me all the time, no only classical but also a lot of Jazz, since my dad loved it. Then there was school, the cellow and afterwards all the sorts of people that I’ve worked with and whom are all so differente, musically speaking. So I’m really lucky because the spectrum of musician that I’ve worked with is really broad and that allowed me to incorporate many differente styles, rythms and beats. You don’t realise at the time how deep it is the effect it has got on you but now I see how important it was to my growth and my music. I guess I’ve been trying to get it out all the time but the words were just no getting out the way I wanted them to, and now I believ I’ve finnaly found my own way of expressing myself through both rythm and words.


7. When did you feel that you “were ready for this”: an album of your own?

I don’t think you ever feel like you are ready it was just that I’d been writing for quite a while and I came to this point where I had a lot of music and a lot f songs and I wanted to turn them into something of my own, to put together an album. And it has taken a while to get through to these specifi musics, since there were a lot of songs that didn’t make the album and in which I believe in, just like any other artist does, but I think that in the first album, even more than in those which might follow, it is quite a big deal to put it all together. It’s really hard to have to decide which ones make it and whice ones don’t.


8. Did you release it “searching for a piece of sky”, your piece of sky?

I think so. Not that I’ve been kind of hybernating or doing things which don’t suit me, musically speaking, but I think that when you are in your own world doing your own music you don’t really know how it’s going to affect or make a difference to anybody else. You just make music that you like to make and I think that is actually the only way to make music to do something that speaks to you , that makes sense for you. So in my little world I’m making my little music in search for my little piece of sky and when I look outside and find out that other people like it as well it is really, reallly gratifying.


9. After having already caused a stir with your Ep “Betcha” you surprise us once again with an album where you marry the contemporary rhytms of hip-hop beats (Underwater) and soulful nu-jazz, among many others, with the classical sounds of your cellow and elaborate string arrangements. Do you see music as a “big picture” where there “ain´t no recipe”? No styles, just harmony?

Yes I do (laughing) . That is exactly it! I do very much so because I feel very strongly about music not having boundaries, there are so many people that have a name for it, that label it. I think music is about sounds, taht having a fusion of different sounds, different inspirations, different arrangements, is very important. Unfortunately in today’s big corporate multinationals it is very difficult for people no to fit into some kind of previously existing sound box or label. I just want to make the music that I want to do, which feels right for me, and I want to encourage other people to do the same, to do what they want to do and not worry where it does fit or no. No to be afraid to be, just like I say in my song, a misfit, and just keep on taking in different influences and making music. All the travelling and all the places that I visit just inspire me to go on making more and more music, and I hope that can be the same to other people. The only recipe is just to make whatever feels good. It’s like a journey. You just have to keep on trying things, experimenting, and therefore I must keep reminding myself that I mustn’t be scared to go places that I’ve never bee before. You have to go to those places in music. You have to try to find better ways, different ways to express what your feeling, because music should come from there, and we hardly feel the same thing twice. Each sensations is always different, and that’s exactly how it should be with music.


10. After the great reviews the album has been getting in and outside the UK what kind of picture do you expect to find in your gig booked for later this month in Portugal?

Well, I dont’ actually know because I never expected it to go international like this. But then I never expected to be a singer as well. All I want to do is to simply get on stage, have a great time and hopefully see some smiling faces and some people dancing and enjoying it. Taht alone will make me very happy. If I can see that picture in my head that will be lovely. That’s just one of the things about travelling to different places and meeting differente people, you never now what quite to expect. Besides that I guess I just want to get to see at least a little bit of your marvellous city since I’ve already heard so many wonderful things about it. I just regret that I can’t stay longer.


11. And what about the public, what can kind of picture can they expect to see, both on and off stage?

I can just say I’ll certainly be one of those smiling faces and that I’ll give it my best. I just hope that somewhere along the line, and that is always what I try achieve, the songs that I sing will have some effect and that people will enjoy them. That’s all I can hope for and I’m sure, judging by all the people that I’ve met on the phone so far and during the interviews that everybody’s definitely lovely. Therefore I’m certain that we’ll all have a great time. I have a really great band and I’ hoping you’ll just get an example of how we usually are on stage, and that is usually rather inexpected. I like to do different versions of my songs so you’ll probably hear a lot of different versions, always with a lot of energy, and I just hope you’ll all enjoy it.


12. Now “tell me a story” about your future plans. Having finally released an album on your own, do you intend to keep on doing it solo or does that remains, like one of your songs, a “question mark”?

You really just blow me away with those questions. This is so good for my ego (laughing) I’ll just keep doing what I’m doing, since it has worked so far, doing it on my own with a label who understands and respects me. I think that is the most important thing for a lot of artists and musicians, to have people around that not only believe in them but also let them have the time to grow and do their thing, who don’t force them into anything or any labels, let them make the music they want to make. A lot of music corporations don’t give you such freedom and I’ve been lucky enough to have found one who lets me do that, and if I can go on doing that I’ll certainly keep in this track and do my next album with them. Still it might be a completely different work. I don’t know where my music and all the influences I absorb are goingo to take me, buth either way, fortunately it’s working like this.


13. If you could choose anyone in the whole wide world to work with who would it be?

Well, I love Prince, Chaka Khan...But it’s an endless list. There are thousands of fantastic people I would like to work with, or maybe even just get to sit in a room and watch them go about their own work. I think that that would even be more exciting for me, that maybe I would learn more, just by watching musicians like Bob Marley recording with The Wailers. I love to watch other people make their own music because you’re always learning something. Of course if I were to be lucky enough to work it them that would be great, but just being around them would already be sort of a dream come true. But I’m pleased with what I have, and the people around me have gave me great education.

(1) comments

sexta-feira, junho 18, 2004

“No princípio era o verbo e, portanto, o som”, escreve, citando Jean During. No caso de Dulce Pontes, pelo meio veio ainda o teatro e para trás ficou o sonho de ser bailarina. Constante no caminho de uma voz onde se cruzam as origens da palavra com as raízes da portugalidade, só mesmo a música: a “ilha do seu Fado”. Por| Inês Marques


1. Como é que surgiu o “primeiro canto” – não aquele que dá o nome a um dos seus álbuns - mas da cantora Dulce Pontes?

Segundo a minha mãe conta acho que foi aos quatro anos. Na altura sabia o Hino Nacional todo de cor e gostava muito de o cantar, apesar de me fazer alguma confusão aquela parte dos “egrégios avós”.

2. E quando ou como é que tomou consciência de que era realmente à música que se queria dedicar?

Não houve propriamente um momento, foi progressivo. Desde pequena que senti a necessidade de me expressar de diferentes formas, mesmo que para isso tivesse que estragar a mesa da sala por andar sempre a arrastá-la para dançar. Lembro-me da minha descoberta de que podia reproduzir os sons que ouvia num pequeno xilofone, de andar à procura. A primeira música que consegui aprender foi o “Malhão Malhão”. Depois veio o “Parabéns a Você” e a descoberta dos meios-tons. A seguir a minha mãe arranjou-me um órgão, e entretanto comecei também as aulas de piano com a Lígia Serra. Cheguei mesmo a fazer o quarto ano do Conservatório como externa enquanto, paralelamente, frequentava a escola de dança, com a Anabela Gameiro.

3. Aliás chegou mesmo a ter o sonho de ser bailarina…

Sim, mas era complicado porque a escola onde eu andava era no Montijo e não me dava currículo. Ainda assim foi extremamente importante no meu percurso. Serviu para me dar noções essenciais, como a de espírito de sacrifício, expressão corporal. Tive a melhor formação - na minha infância e parte da adolescência - que alguma vez poderia ter tido para o tipo de vida que tenho hoje e que começa aos 18 anos com o famoso teste de voz.

4. 16 anos depois desse momento, quais foram os “Caminhos” que a sua música percorreu?

Bem, penso que foram alguns. Já há uma “árvorezinha”, cujo tronco está inevitavelmente ligado às raízes da minha nacionalidade. E isso significa não só Fado mas também Folclore, música popular da escola do Zeca Afonso, medieval e galaico-portuguesa. É esse o espectro de um manancial mais infinito de possibilidades, a partir do qual eu gosto de reinventar. Aquilo de que me fui apercebendo ao longo do caminho foi que o que realmente importa não é reproduzir, e sim procurar deixar a marca do meu tempo, daquilo que vivo, sinto e sou.. Sempre com verdade interior e respeito por essa matriz. Claro que no crescimento dessa árvore existem opções e momentos cruciais, mas é por isso que tem esta forma e não outra. O que me agrada é sentir que consegui criar raízes fundas, permanecer e ir construíndo. Esse é o meu objectivo.


5. Um dos momentos, para além da participação no Festival da Canção, que foi importante no desenhar inicial dessa árvore foi subir ao palco do Casino Estoril…

Estive lá um ano e apesar de ter sido muito benéfico em termos disciplina cheguei a um ponto em que já não suportava lá estar, porque não só se torna repetitivo como tão pouco era o tipo de música pelo qual me prefiro expressar. O único dia que tivemos de folga foi a noite de Consoada logo, em termos de trabalho ensinou-me bastante, até porque aconteceu em simultâneo com o “Regresso ao Passado”, o programa apresentado pelo Júlio Isidro..

6. Depois dessa experiência começou a pisar outro tipo de palcos – teatros, auditórios…Como é que se dá a passagem do Casino Estoril para outras salas?

Eu estava no Casino Estoril apenas como convidada, pelo que o salto não se dá obviamente do nada. Com o Festival da Eurovisão tive a oportunidade de começar a gravar em português e acaba por surgir o meu primeiro disco que, apesar de não ser o que eu queria fazer, foi importante enquanto tal. Depois, quando parti para o “Lágrimas”, tinha já uma ideia definida do que pretendia e, portanto, prometi a mim mesma que ou era assim ou desistia. E a partir do momento em que o fiz a minha carreira despoletou. Estávamos em 1993 e aquilo que muita gente apelidou de “suicídio artístico” – cantar temas da Amália na altura era quase um sacrilégio – acabou por se revelar precisamente o oposto.

7. Mais do que uma forma de vida pode-se dizer que a música é a “ilha do seu Fado”, tal como canta no álbum que tem por nome, precisamente, “Caminhos”?

Sim, sem dúvida. A música é a principal porta para o coração. Existem outras, mas esta é sempre a primeira porque a música, no fundo, é a emoção humana. Como tal, fazer o que faço é uma dádiva. Cantar é algo que me ultrapassa. Nunca penso na música ou na carreira artística como uma forma de enriquecer ou ser reconhecida, de alimentar o meu ego, e sim como este dom extraordinário de um sentir desmedido.


8. Depois de trabalhar um pouco por todo o mundo, em palcos e com cantores de nacionalidades diferentes, esse fado continua a ser o “Fado Mãe”, “Fado Português”?
Continua, sempre. Precisamente porque serei sempre portuguesa. Durante todo este tempo e, mesmo actualmente, em que por causa do “Focus” canto mais temas estrangeiros, o Fado está sempre comigo. É algo que me tem acompanhado ao longo de todos os caminhos. No “Primeiro Canto” procurei fazer algo um pouco diferente mas precisamente para não ser oportunista. Seria muito fácil ter ficado com esse tipo de “carimbo”, digamos assim. Para além disso, acredito que é necessário tempo de vida para se poder interpretar verdadeiramente o Fado. É preciso um exercício de nudez, de fraqueza, despirmo-nos de qualquer tipo de maneirismo. Porque o Fado não é uma coisa estagnada, é um exercício de liberdade, sem o qual não vivo. Cantá-lo é quase como pronunciar uma oração. Não sinto nada parecido com outro género musical.

9. O “Focus” surge em 2003 e, contrariamente aos anteriores, não é um trabalho a solo. Como é que surgiu esta parceria com o Maestro Ennie Morricone?

Foi em 1995. Um amigo do Maestro comprou o “Lágrimas” e levou-lho para ele ouvir, já que ele andava à procura de uma cantora portuguesa para interpretar o “Coração”. Foi uma grande coincidência porque eu andava precisamente à procura da banda sonora do “Era Uma Vez na América” – que é da sua autoria - e pouco depois de a encontrar, recebo um fax do Maestro. Na altura até pensei que fosse uma brincadeira. A seguir à gravação deste tema continuámos a trabalhar juntos – tenho sido sempre convidada nos seus concertos - e foi-se desenvolvendo uma relação profissional que, como ele diz, começou com fogo até chegar a um grande incêndio, que se chama “Focus”.

10. Qual é o balanço que faz dessa experiência e dos espectáculos que têm realizado em conjunto?

Estar com ele é uma aprendizagem constante. Para além disso uma orquestra é um céu. No entanto preciso da liberdade dos meus espectáculos, para poder cantar música portuguesa, seguir o meu caminho. Ainda assim este disco faz parte dele, até porque o Maestro compôs para o “Focus” seis temas originais de inspiração portuguesa. Isso vem enriquecer imensamente a história da nossa música, até porque estamos a falar de um dos maiores nomes da orquestração e composição contemporânea.

11.No próximo dia 28 terá oportunidade de retribuir os convites do Maestro, já que será ele o seu convidado no concerto que dão em Lisboa. Como é que surgiu esta ideia?

Surgiu a partir da organização do Euro2004 que, como o campeonato coincidia com as Festas de Lisboa, pediu à EGEAC que organizasse um concerto de grandes proporções. Ainda bem que se lembraram de nós, porque, por mais agradável que seja cantar noutros países, nada pode ser tão especial para mim como poder, finalmente, realizar o desejo de trazer o “Focus” a Lisboa. Agora posso oferecer essa magia às pessoas que me têm acompanhado incondicionalmente ao longo de todos estes anos. Mais ainda sendo entrada livre.

12. E se “no princípio era o verbo e portanto o som”, depois de pelo meio terem surgido experiências noutras áreas, como a representação, hoje é a música e só a música ou algo mais?

Não sei bem, mas tenho vontade de voltar ao teatro. Tive uma proposta do Maestro Horacio Ferrer, o grande companheiro do Astor Piazzola, para fazer a “Maria de Buenos Aires” e se calhar vou aceitar. Mas não quero atropelar o projecto que pretendo fazer a seguir, sobretudo se entrar no Fado. Ás vezes é difícil conjugar todas estas coisas coma vida familiar e ainda ter tempo para o meu filho, mas se conseguir geri-las aceito.

13. E no fim, será a música ou o som num sentido mais lato, onde caiba também o teatro?


Eu gostaria que fosse uma comunhão. Uma compreensão entre todas as manifestações da palavra e, portanto, do som. Isso possibilitaria aquilo que considero uma maior proximidade entre artes e também pessoas. Seria uma imagem bonita, todos de mãos dadas, a produzir o mesmo som.








(0) comments

terça-feira, junho 01, 2004

Três álbuns e três anos de silêncio depois, os Clã regressam com um novo trabalho. Para trás fica a energia de palco de “Kazoo”, posteriormente depurada em Lustro. “Rosa Carne” é uma viagem de experiências e sensações tão inesperadas quanto a mudança de registo da banda. O resultado de um processo de crescimento, explicado por dois dos seus principais elementos: a vocalista Manuela Azevedo e o compositor Hélder Gonçalves. Por| Inês Marques .


1. Em Janeiro deste ano celebraram o décimo aniversário da vossa estreia ao vivo. Dez anos depois, o que é que mudou no universo sonoro dos Clã?

Manuela - Mudou muita coisa. Acho que a única que se mantém é mesmo sermos os mesmos 6 musicos. Ao longo destes anos fomos aprendendo inúmeras coisas, não só a nível melódico ou, no caso do Hélder, enquanto compositor, mas também a nível pessoal.. Nesse sentido penso que crescemos, amadurecemos, ficámos com um repertorio maior não só de canções criadas por nós mas também por outros autores com quem fomos trabalhando. Essas interacções foram, de facto, um dos aspectos que mais contribuíram para que fossêmos descobrindo coisas novas e evoluindo sempre.


2. Desde o início que o vosso percurso tem sido, precisamente, o da busca de novas sonoridades…

Manuela - Basicamente o que temos procurado sempre é a diversidade. Não só em termos de sonoridades – do soul, ao jazz, passando pelo reggae já experimentámos um pouco de tudo – mas também de linguagens.E é isso que nos leva a trabalhar em projectos como o Nosferatu, no qual desenvolvemos, por exemplo, música para um filme.


3. Esse diálogo com outra formas de arte surge para vocês como uma necessidade?

Hélder - Sim, especialmente com o cinema, para o qual sempre senti uma grande vontade de fazer música. Nesse sentido surge também o teatro, porque no fundo, trabalhar para um ou para outro é quase como fazer versões. Tanto num caso como noutro se procura retirar o que nos parece mais importante. Penso que a cooperação entre as diversas formas de arte, não só entre estas, mas também com outras é muito importante. Ainda que sejam diferentes, todas partilham, de certa forma, uma aventura comum.. Eu sempre trabalhei com outras formas de expressão, portanto acho que é uma coisa que vamos tentar continuar a fazer.


4. Um som com o qual desde cedo encontraram “Afinidades” foi o de Sérgio Godinho, com quem realizaram diversos concertos e um álbum que foi disco de ouro. Essa relação de progressiva aproximação influenciou a vossa música?

Hélder - Penso que todos os encontros que temos são coisas que marcam e influenciam. Quando as coisas correm bem, e felizmente conosco isso tem sempre acontecido, são momentos durante os quais ambas as partes oferecem muito de si. E isso é sempre um processo de aprendizagem, e logo, de certo modo influenciador. É claro que no caso do Sérgio então nem se fala, aprendemos mesmo muito com ele. Não só pelo tempo que passámos juntos,em palco ou em estúdio, a gravar e divulgar o “Afinidades”, mas também por ele ser quem é. Nesse sentido, creio muito do nosso crescimento passou tambem pela convivencia com o Sergio. Tanto artistica como pessoal. Mas há outros nomes muito importantes, sobretudo o do Carlos Tê, com quem trabalhamos desde o inicio e com o qual temos uma grande cumplicidade. Mas aprender penso que se aprende sempre. Ainda assim, creio que o traçou mais a nossa evolução até este disco foi essencialmente um percurso de auto-conhecimento.


5. Tendo em conta todo esse processo de crescimento porque têm passado, que ritmos é que podemos encontrar neste novo trabalho?

Manuela - É um disco atravessado tanto por sons de casa como por sons de orquestra, ainda que isso possa parecer quase contraditório. A nossa ideia foi tentar que este disco fosse mais longe, não só em termos de composição como também de arranjo e de sons Nele procurámos explorar caminhos que não fossem os mais comuns ou previsíveis na construção de uma canção ou de uma música. Helder – No fundo foi quase um exercicio de depuramente estetico do que já tinhamos feito no passado. O que procurámos foi partir do zero, como se nunca tivéssemos feito nada, procurar perceber o que é que nos apetecia fazer neste momento independentemente de tudo o que tinhamos para tras. Mas no fundo as coisas acabam sempre por ser uma reacção ao que fica para trás.


6. Aliás nos vossos dois ultimos álbuns – Kazoo, Lustro - existe uma espécie de ponto comum, que é a energia de palco, ainda que no “Lustro” essa surja, de certa forma, mais “polida”… Surge agora um trabalho “Rosa Carne”, num registo bem diferente…

Manuela - De alguma forma se no Lustro depurámos um bocadinho a música e a energia do Kazoo, neste álbum fomos muito mais longe, trabalhámos um registo mais de conceito. Foi uma coisa mais pensada logo à partida, destinada a incidir sobre um universo mais específico, mais claro, e foi também por isso que demorou mais tempo. Obviamente que estas coisas não são estanques mas este trabalho foi, até agora, o que teve uma vontade e uma homogeneidade mais marcadas. Para alem disso é um trabalho caracterizado pela estrutura inesperada das canções. Estas começam num ponto e acabam noutro completamente imprevisível, subvertendo as estruturas habituais, e isso é algo que também não acontecia nos álbuns anteriores.


7. O próprio título deixa adivinhar uma certa mudança, trazendo-nos à cabeça a imagem de um universo mais pessoal e interior…

Hélder - Este é de facto um álbum que surge mais relacionado com esse tal nosso processo de aprendizagem pessoal, de auto-conscencialização. Daí o próprio termo carne, que nos fala de algo que está para além da pele, que está marcado em nós não à superfície mas para lá dela. Aqui quisemos usar canções e textos mais crús, mais incisivos. que falassem de coisas que normalmente não se falaria, que usassem palavras que normalmente não se utilizariam, como se vê por exemplo no titulo “madalena em contricção”. Mais do que caber num estilo, quisemos fazer as coisas como elas precisavam de ser – eroticas, violentas, sensuais.. - sem olhar ao facto de ser “pop” ou “cool” ou outra coisa qualquer. E daí esta preocupacao tambem com as letras, que neste àlbum se tornam mais literárias, mais poéticas, mais centrais do que nunca. Há obviamente coisas mais naifs, como os “Violoncelos Esquisitos” mas que ainda assim contêm alguma perversao, algumas mensagens quase subliminares. Uma tentativa de ir mais além.


8. Aliás, no ano passado começou-se a notar no vosso trabalho uma certa viragem nesse sentido, ao optarem por realizar uma mini-tournéé relativamente mais intimista. Já era de certo modo um antecipar deste álbum?

Hélder - Basicamente nos queriamos experimentar as musicas novas e a única maneira de fazer isso era em locais mais intimistas, fechados e confortáveis, para que as pessoas estivessem disponiveis para ouvir. Num festival, numa queima ou num espaço muito grande isso dificilmente acontece. A única maneira de testar os temas novos que tinhamos composto era de facto com as pessoas sentadas num espaço confortável. E resultou muito bem pq algumas das musicas q tocamos eram de facto um pouco esquisitas, no sentido de muito diferentes, e o alinhamento era so composto por temas destes ou outros que nunca tinhamos incluido em discos, ou que tinhams mas que surgiam agora com arranjos completamente diferentes. Felizmente as pessoas gostaram bastante, e nos tambem. Este tipo de concertos é uma coisa que nos agrada muito, mas é claro que não dá para fazer muitas vezes, não so pq não há auditorios mas pq tb é preciso fazer outro tipo de coisas para promover o album. De qq maneira e algo que prentendemos continuar a fazer, sempre que nos for possivel.



9. Acham que este tipo de iniciativas é importante para não so estabelecerem uma reaproximacao com o publico como para lhe poderem sentir o pulso?


Manuela - Sim, claro. Alias nos diziamos mesmo as pessoas no concerto que estavamos de certa forma a abusar delas porque nos iamos para o palco no fundo experimentar canções e estudar reacções, ver se o que queriamos passar de facto era compreendido ou não pelo publico. Elas foram de alguma maneira um publico teste, e felizmente gostaram muito da ideia.


10. E para a promoção deste novo trabalho vai continuar a ser essa a vossa opção ou vão regressar aos grandes recintos e festivais?

Hélder -
A apresentação oficial do disco, no dia 29, no Porto, vai ser no Teatro Sá da Bandeira que já por si é um sítio especial, e pretende ser, de certo modo, mais intimista, mais pessoal, apesar de não ser com cadeiras etc. O ambiente do concentro vai ser centrado neste disco e logo vai ser uma coisa mais aproximada, uma coisa única mesmo. Mas depois temos agendado concertos mais “normais”, como as Queimas das Fitas, os Festivais etc. M – Aliás, neste momento estamos limitados pela nossa agenda de tal forma que seria muito dificil fazer uma tournée ou alguns espectaculos mais pequenos, em auditorios. Mas na reentré uma das hipóteses é precisamente tentar fazer isso, optar pelos espaços mais fechados e de maior proximidade, até porque nessa altura do ano apetece mais.


11. O tema que escolheram para primeiro single foi precisamente a primeira faixa,“Competência para Amar”, porquê?

Hélder – Penso que acaba por ser o single precisamente pela mesma razao que é a primeira faixa do disco M – Era o melhor cartão de visitas, de apresentação do álbum. Já nos aconteceu no passado as pessoas ficarem confundidas com aquilo que o disco é por causa do single ter esta ou aquela característica, por isso pareceu-nos que este se adequava por conter nele todo o espírito deste trabalho. A primeira apresentacao do trabalho faz muito pela ideia geral com que as pessoas ficam do disco e o “competencia para amar” parece-nos de facto q explica o que isto e: um disco que efectivamente é dos cla, mas que é, ainda assim, um trabalho diferente.


12. Este tema inclui samples de músicas da Amália. Foi uma opção vossa ou uma sugestão do letrista Carlos Tê?

Hélder - Foi nossa. A parte final da musica era maior do que esta agora, tinha muitas cordas e um ambiente um bocado psicadelico e o tema fala de varias coisas, mas sobretudo sober o facto de haver algué, no casal, neste caso a mulher, que é mais competente no sentido de ser quem faz tudo para que as coisas resultem e que acaba por organizar as “tarefas” que permitem que a relação de amor entre essas duas pessoas funcione. O tema diz um certo de modo que se não fosse a sua competencia para desempenhar as tarefas do amor, as coisas não resultariam e eu então achei que seria interessante achar samples de cancoes que falassem precisamente sobre esse universo. Experimentei muitas coisas, desde jorge palma a outra coisas da Amalia, mas quando juntei estes dois samples, percebi imediatamente que eram tao fortes que todos os outros me pareceram menores. Resolvi então retirá-los e deixar só o sample da Amália. Aquilo que começou por ser uma brincadeira com uma serie de montagens acabou por ser assim uma presença forte, um quase espectro central e fundamental à música.


13. Qual é a vossa posição relativamente à utilização de samples ou excertos de declarações públicas na construção de novas músicas, como fez por exemplo Sam The Kid com a frase de Vitor Espadinha acerca da sedução?

Hélder - Nós sempre fomos muito zelosos relativamente à questão dos direitos de autor, aliás é um tema que já temos discutido com muita gente. No entanto, eu acho muito bem que se faça renascer as coisas através de novos projectos e cruzamentos, desde que se peça autorizações. M – Não conheço muito bem este caso específico, mas dado que a frase foi proferida numa entrevista difundida e logo tornada pública, não me parece tanto um problema de direito de autor mas, quanto muito, de utilização propriamente dita de uma declaracao tua que não queiras ver publicada. H – Basicamente em Portugal não estao muito desenvolvidas estas questões dos direitos de autor, por vezes torna-se dificil saber o que se pode utilizar ou não. Há muita gente a usar samplers e a usar coisas de outros artistas sem pedir autorizações, o que para mim é incorrecto. Mas mais do que entre musicos começa pelas p´roprias televisões utilizarem as canções dos grupos sem sequer pedirem permissão. Nós por exemplo temos alguns processos em tribunal precisamente por problemas desse tipo. Isto é uma coisa que acontece em Portugal ou por falta de legislação ou de aplicabilidade e fiscalização, cá é muito claro o que se passa, no entanto continua tudo na mesma e é obvio que em poucos outros sitios do mundo se passa assim.


14. E por falar em Carlos Tê, letrista do single, e com quem já trabalham há muito tempo, neste novo trabalho surgem também letras de músicos “menos habituais” nos vossos albuns, como Adolfo Luxúria Canibal ou Arnaldo Antunes. Porquê esta opção e porquê estes nomes?

Hélder - Eu penso que mais um vez tem a ver com a nossa vontade de mudar um bocadinho, de experimentar coisas novas. Mesmo o processo com o Carlos Tê foi diferente neste disco. Desta vez – e foi o único autor com quem fizemos isto – pedi-lhe especificamente uma coisa, que fosse a gaveta, buscar as letras de que ele gostava muito mas que nunca tinha conseguido usar. As “letras malditas” que não coubessem em lado nenhum, que fossem diferentes, que não tivessem uma estrutura musicavel. E isso entusiasmou-o bastante e fez com que não so me passasse uma serie de coisas como “o fio de ariane” mas tambem que escrevesse cancoes novas. Com todos os outros foi mais dar-lhes a canção e dizer-lhes “faz o que quiseres”. Essa vontade de que o disco fosse mais incisivo, mais crú, mais carne, fez-nos depois optar por outros musicos como, lá está, o Adolfo, com o qual já tinhamos convivido algumas vezes, e cujo trabalho nos mao morta apreciamos muito, apesar de sabermos que isso pode parecer ate surpreendente. Mas lá está, foi precisamente essa crueza e qualidadedo seu trabalho que nos fez pedir-lhe para colaborar connosco. Pensamos que tanto ele como a Regina Guimaraes, que penso que foram as pessoas mais importantes que se juntaram a este trabalho, poderiam tacrescentar para acrescentar mais carne ao disco. Pareceu-nos que seria um bom caminho, mas claro que estas coisas so se sabem onde é que vao parar quando chegam ao seu fim, e só depois de concluido e q tivemos plena percepção do quanto eles contribuiram para imprimir ao “rosa carne” o sentido mais cru que lhe queriamso dar.



15. O facto de o vosso último trabalho, “Lustro”, ter sido disco de ouro não fez, com que de certa forma, se sentissem um pouco sob pressão, à semelhança das bandas que alcançam um grande sucesso logo no seu primeiro álbum?

Hélder - Talvez se tivesse sido efectivamente o primeiro disco teríamos sentido isso. Mas como este já o quarto álbum e em nenhum deles tivemos um sucesso imediato, nem com o “Lustro”. Saiu em Maio e foi ouro em Janeiro, foi um percurso lento e como conosco ate agora tem sido sempre um bocado assim nunca sentimos muito esse tipo de pressão. Mas obviamente que sentimos que há mais gente em expectativa relativamente ao nosso trabalho. Sabemos que há muita gente à espera do novo disco, e sobretudo de um novo “Lustro”, mas penso que apesar de termos noção dessas coisas todas, não podemos deixar de fazer aquilo que sempre fizemos ou seja, partir para cada disco como se fosse uma coisa nova, um começo.


16. “Lustro” foi tb editado em França em 2002. A internacionalização é um dos objectivos que pretendem alcançar com este novo trabalho?


Manuela - Sim, aliás esse é um objectivo de longo prazo que tem estado sempre presente no nosso trabalho. Mais do que pela edição do disco, ou de um disco em concreto passa por muitas outras coisas, como a promoção. Mas é um trabalho de muitíssimo longo prazo. H – Aliás temos investido nele sobretudo de uma maneira mais concreta desde o Lustro, mas é um trabalho demorado, que tem de partir muito da banda, do manager do grupo, por um grande grau de investimento junto dos países e dass pessoas que, em cada um deles, poderão divulgá-lo, pô-lo a tocar. É um processo muito complicado, de grande investimento, logo nunca sabemos quand é que vamos ter, em termos concretos, resultados nesse aspecto.


17 – Quando faz essa opção a maioria dos grupos opta por cantar em inglês, algo que até agora os Clã não têm feito…

Hélder - Para nós isso é uma coisa que em termos pessoais não faz sentido. Se é certo que há projectos portugueses de enorme qualidade que surgem desde o início em Inglês, como os BlindZero, esse não é o nosso caso. Não é uma questão de não nos agradar que se cante em inglês e sim uma questão de para nós não fazer sentido escrever e compôr noutra língua que não seja o português. Aliás, o Lustro foi editado em França precisamente por ser em português. Não é que não ponhamos a hipótese de eventualmente fazermos, por exemplo, versões das músicas em inglês, mas a primeira vai ser sempre a nossa. Porque é essa que tem a ver connosco, com a nossa identidade musical.


(0) comments

quinta-feira, maio 27, 2004

Visitas, visitas, há muitas visitas...

Quando cantava isto, a Suzy Paula-sim, a famosa Sra.do Areias-não fazia ideia de como estava certa...nas próximas semanas, Lisboa torna-se no Palco do Mundo e é vê-los desfilar...de McCartney a Korn, há concertos para todos os gostos. Fica aqui a lista para ajudar a fazer escolhas e planificar a agenda (e carteira).

(0) comments
Izzi Dunn em Lisboa a 26 de Junho:


Para além do Euro e dos Santos Populares, o mês de Junho traz-nos mais uma razão para ficar "na história": a estreia de Izzi Dunn em Portugal. A cantora / compositora inglesa apresenta-se ao vivo no FESTIVAL COSMOPOLIS , em Lisboa, dia 26 de Junho. O concerto está marcado para as 23h00 e terá lugar no Convento do Beato, na "Live Area". Os bilhetes custam 18 €.

Na bagagem Izzi traz o seu 1º registo de originais,The Big Picture , editado pela Difference no passado mês de Março. Contando com as colaborações dos mc's Mr Manuva, Mc D e Me One, dj's Seiji 4 Bugs In The Attix e os The Unsung Heroes, The Big Picture é um disco de soul e hip hop, com uma toada clássica, acrescentada pelo violoncelo de Izzi Dunn.


Tal como o disco, também a própria artista é uma fusão entre a música clássica e a urbana. Nascida numa família de músicos (a mãe foi cantora de ópera e o pai cantor de standards dos anos 50), Izzi começou por ter aulas de violoncelo quando tinha apenas 9 e anos e, aos poucos, foi despertando o seu interesse pelo canto. Tocou no metro de Londres e em salas pequenas, até que o seu nome chamou a atenção de artistas de renome como Ravi Shankar,George Harrison, Oasis, Brand New Heavies, Soul II Soul ou Roots Manuva, com os quais colaborou como convidada e música de estúdio.

Entretanto, Izzi gravou o primeiro álbum e trocou as plataformas do metro por clubes londrinos como o Cargo, The Nothing Hill Arts Club ou o Jazz Café, onde as suas actuações se tornaram lendárias. Agora chega a vez de Lisboa...




(1) comments
Entrevista com os Metrô:

Depois dos concertos no SpeakEasy e Fnac Colombo, fica a entrevista feita por um dos membros da Faixa e publicada no jornal Destak da passada semana.

Metrô - O “Déjà-Vú” inesperado

Numa época em que a maioria das bandas se viravam para o punk rock, os Metrô marcaram a diferença no panorama musical brasileiro misturando guitarras e sintetizadores. Depois do tecnopop dos anos oitenta, voltam a quebrar convenções ao apostar na “pop experimental”, com um álbum onde a bossa nova de um “Coração Vagabundo” continua a palpitar num “Beat Acelerado”.


1. Apesar do sucesso que tiveram nos anos oitenta, inicialmente não obtiveram apoio das editoras para este “regresso”. O que é que vos levou a arriscar numa edição de autor?

Dany - Tivemos convites de várias gravadoras mas para recuperar os antigos originais dos Metrô, tal como a maioria das bandas dos anos oitenta estavam a fazer. Virginie – Acontece que isso para nós não fazia sentido. Aliás, quando nos juntámos, não foi para gravar um disco e sim para nos reencontrarmos. Mas depois de ouvirem as nossas “gravações caseiras”, o Dany e o Ian acharam que fazia sentido transformá-las num disco e então resolvemos oferecer o trabalho às editoras. Como nenhuma delas entendeu que o que queríamos não era fazer um “best-off”, partimos para uma edíção de autor.

2. Lançado em 2002, “Déjà-Vú” surpreendeu ao esgotar esses cinco mil exemplares numa semana. Hoje, depois de já ter vendido muitos mais, dá-lhe vontade de cantar, como na faixa dez, “Everyone’s wrong but me”?

Virginie – Não tenho essa sensação, pelo menos num sentido mais negativo de mostrar aos outros que nós é que estávamos certos. Até porque nada neste trabalho tem sido feito a pensar noutra coisa que não seja a música e o prazer que tiramos dela. Por outro lado, é claro que fiquei extremamente satisfeita por verificar que uma coisa que tem tanto de nós é bem recebida pelos outros. Basicamente o que procurámos com este disco foi passar bons sentimentos para as pessoas. Talvez por isso elas nos abordem de uma maneira tão generosa, de coração aberto. Aqui em Lisboa então nem se fala!

3 – Para além deste tema de Ella Fitzegerald também foram buscar ao baú êxitos do primeiro álbum, como “Sândalo de Dândi” ou “Jhonny Love”. Porquê este “déjà-vú”?

Virginie – Como tudo neste trabalho, acabou por acontecer de uma maneira natural. Andámos algum tempo oscilando entre o sim e o não, entre tocar e não tocar alguns originais - até porque o nosso objectivo não era “regressar ao passado” - mas depois acabámos por pensar: porque não? Fazem parte da nossa vida, do nosso percurso e são músicas muito especiais para nós. Dany – Era quase um tabú para nós mexer nelas, mas ainda bem que o fizémos porque foi óptimo redescobri-las.

4 – Vinte anos depois do êxito que foi “Olhar”, voltam a surpreender com um “Déjà-vú” inesperado. O que é que mudou entretanto?

Dany – Tudo, sem sombra de dúvida. Virginie – Creio que essencialmente aprendemos a privilegiar o silêncio. Na época não, tínhamos de preencher todos os espaços. Éramos jovens, saltitantes e cheios de energia e agora já caminhámos desse extremo até um lugar de maior equilíbrio. Nos shows, ao vivo, acho que temos muita energia, mas penso que é mais controlada, mais atempada, aprendemos a respeitar mais o ritmo da própria música. Como diz na música, “coração ligado, beat acelerado”, mas agora com uma batida um pouco mais tranquila.

5 –A ideia continua a ser a de estarem “abertos a novos estilo sem complicar” como dizia Alec - um dos “Metrô originais” - nos anos oitenta?

Dany – Sim, com toda a certeza. Eu acho que vamos procurando a simplicidade, a síntese, através de várias sonoridades e estilos Virginie – Acho que hoje em dia temos não só uma maior segurança técnica como maior maturidade, e talvez isso nos permita estar mais perto dessa “simplicidade”. Porque nos liberta, permitindo-nos uma maior concentração na interacção com o público e no próprio momento em si. Agora é apenas acerca de nós os três, da felicidade de estarmos juntos a fazer música, já sem o peso da responsabilidade de ter uma equipe de mais de vinte pessoas dependentes de nós ou de querer cumprir a rigidez musical do tecno-pop que fazíamos nos anos oitenta.

6– Qual é sensação de voltarem aos palcos tanto tempo depois?

Virginie – É bom. Muito muito bom. Porque uma coisa é ter algumas notícias do modo como o disco está a ser recebido, e outra é ter oportunidade de ir até aos sítios ver e sentir o que realmente se passa. E não há melhor maneira de o saber do que através dos concertos e da interacção real com as pessoas.

7 – E a de ver misturarem-se no público antigos fãs, hoje com mais de trinta anos, com gerações mais novas que vos descobrem pela primeira vez?

Virginie - Como uma pessoa que teve que abandonar o seu país e a sua cultura de origem aos 33 anos, porque o meu marido é diplomata, a minha ânsia na vida é comunicar. Então torna-se realmente muito especial sentir e saber que essa comunicação acontece nos concertos e com pessoas de todas as idades. E isso é uma coisa que pudemos verificar não só no Brasil, onde tínhamos gente dos vinte aos sessenta e cinco, mas também na Europa, onde não há essa referência dos “Metrô”. Apesar dos públicos serem sempre diferentes a mensagem tem sempre passado, e não há nada mais gratificante do que isso.

7 – O que é que significa actuar em Portugal para uma banda que, depois da saída de Virginie em 1986, continuou com um português, Pedro d’Orey, actualmente vocalista dos Wordsong?

Virginie – Para mim foi extremamente importante porque associei a pessoa do Pedro, durante muito tempo, a um momento triste, que foi o da minha separação dos Metrô. O Pedro entra como vocalista precisamente depois de eu sair da banda, e foi difícil vê-la continuar e até gravar um àlbum - A Mão de Mao - sem mim. Poder encontrá-lo e cantar com ele no concerto que demos no Speakeasy permitiu-me mudar isso. E é muito bom ver que ele é tão querido pelas pessoas cá porque, para nós, o Pedro é muito especial.

8 - Depois da “Mão de Mao” seguiram todos caminhos diferente: Virginie foi para África, Dany foi para a Bélgica… Tendo em conta essa diversidade de percursos, o que é que o publico pode esperar deste “Déjà-Vú”?

Dany –É o resultado, uma fusão de todos desses percursos, desses dezoito anos de viagens e experiências. Virginie – E também do contacto com pessoas como o André, que se juntou agora aos Metrô, bem como com todos os outros convidados. Nunca somos nós sozinhos, como tal acaba por ser isso mesmo, um reencontro e simultaneamente algo em mutação. Porque a música é algo em permanente construcção, à medidade que a vamos experimentando e tocando, ela vai traçando o seu caminho. Tem uma dinâmica própria por isso o que as pessoas podem esperar é isso mesmo, um processo de movimento constante.

9 – Pensam continuar a trabalhar juntos?

Virginie – O André e o Danny já estão com um projecto “no casulo”. Eles estão no mesmo país o que já ajuda bastante. Ainda que eu estar longe não seja impeditivo acaba por complicar um bocadinho as coisas. No entanto, para o ano, se a profissão do meu marido permitir, pode ser que regresse ao Brasil, por isso o futuro é algo que está, de certa forma, em aberto. Até porque gravámos e filmámos tanto material durante esta tournée que já poderíamos fazer outro disco. No fundo lá está, não fazemos esse tipo de planos. Enquanto for bom, enquanto todos sentirmos essa experiência como positiva e gratificante, vamos continuar a ir onde a música nos levar.

Por: Inês Marques



(0) comments

sábado, maio 08, 2004

Songwriters no Paredes de Coura:

Só por esta notícia, já vai valer a pena dar lá "um saltinho".O Palco Songwriters é a grande -e óptima!-novidade da edição deste ano do Festival Paredes de Coura. Confirmados estão já os nomes de Howe Gelb e Mark Eitzel , que actuarão a 18 e 19 de Agosto,respectivamente.

A organização ainda promete surpresas, a Faixa sugere já Rosie Thomas!

(0) comments
Venham mais 14!

No sábado à noite, a escolha não poderia ser outra que o concerto dos Lambchop, que regressam a Portugal para apresentar os álbums Aw Cmon" e "No You Cmon".É na Aula Magna, às 21h00.


(0) comments

sexta-feira, maio 07, 2004

Espalhai a boa nova:

A colecção de livros do cinema do DN traz na próxima 3ª-fª um "must buy": Alta Fidelidade,de Nick Hornby . Esperemos que esta tradução aposte mais na "alta fidelidade" do que a versão da teorema que me chegou às mãos...

(0) comments
Denison Witmer:From the Streets of Philadelphia...

Directamente das ruas de Philadelphia vem o novo álbum de Denison Witmer,Philadelphia Songs. Até agora meu desconhecido, Witmer soa a um velho amigo, com quem se pode abrir a alma.Porque é disso que tratam as suas canções: do quotidiano e de uma forma optimista de(viv)vê-lo, muito rara nos dias de hoje.Tudo cantado com muita alma.A de Denison...

Philadelphia Songs ainda não tem edição no nosso país, mas está prevista para o final de mês, a cargo da musicactiva. Enquanto isso, recomendo que ouçam "24 turned 25" várias xs ao dia...:)


(0) comments
Iron and Wine: Our Endless Numbered Days editado 2ª -fª

É já na próxima segunda que o novo álbum de Iron and Wine chega às lojas. Intitulado Our Endless Numbered Days, este é o quarto registo de originais de Mr.Sam Beam. Até lá, nós é que teremos um "endless weekend" ;) Por enquanto, fica uma amostra e a entrevista do Y





(0) comments
i'm in!!
só p'ra dizer que antes das chicks tocarem em lisboa o 'amigo' Erlend Øye regressa ao lux para nova sessão dj&mike. e agora com disquinho: 'dj kicks'




(0) comments
AMIGOS PARA SIEMPRE:

O final da série Friends parece estar a deixar as suas marcas,até no mundo da música.O cantautor Ryan Adams decidiu utilizar o seu site para prestar a última homenagem a Phoebe,Rachel, Monica, Joey, Chandler e Ross. R.I.P. Friends!;)

Para peregrinações não é preciso ir a Fátima, basta ir ao site oficial .



(0) comments

sexta-feira, abril 30, 2004

Chicks on Speed de regresso:

As Chicks on Speed regressam a Portugal já no próximo mês de Maio. Depois de ter tocado em Novembro do ano passado no Teatro Sá da Bandeira, o "trio eléctrico" apresenta-se agora na Faculdade de Arquitectura, em Lisboa, dia 14 de Maio e na Indústria, no Porto,no dia seguinte. Uma boa oportunidade para (re)ver Kiki Moose, Alex Murray-Leslie e Melissa Logan.







(0) comments
U2: Missão Impossível

Bem tentaram passar despercebidos, mas revelou-se uma "Missão Impossível".Os irlandeses U2 encontram-se em Portugal, desde a passada quinta-feira. O motivo da visita de Bono Vox e Cia é uma sessão fotográfica que, segundo fontes privilegiadas da Faixa, está relacionada com a capa do novo álbum...a Faixa Escondida aguarda ansiosamente por comprová-lo;)

(0) comments
Metrô ao Vivo em Portugal:

Podia ser "déjà-vu" ,mas não é...apesar da longa existência da banda, esta é mesmo a estreia dos Metrô em terras lusas. A mítica banda brasileira vai estar em Portugal para dois concertos de apresentação ao vivo do novo álbum. O primeiro está agendado para dia 13 de Maio, às 23h30 no SpeakEasy, em Lisboa e o segundo terá lugar no dia seguinte, na Fnac do Colombo, pelas 21h00. A entrada é livre.




(0) comments

This page is powered by Blogger. Isn't yours?